terça-feira, 19 de junho de 2007

Coisa de menino

Esses dias subi no ônibus 8107. Final de tarde, ônibus lotado. Na espera de desocupar um lugar no “lado de lá da roleta” sentei naqueles acentos da frente. Do meu lado uma senhora, já de idade, que puxou um papo gostoso comigo.

O ônibus esvazia. Todo mundo desce num lugar só. Parecia até que foi combinado. Eu poderia ter passado pela roleta, mas quis ficar proseando com aquela senhora. Mais uma parada em um ponto, no centro da cidade, onde entraram no ônibus 4 meninos e uma menina, que aparentavam ter entre 13 e 15 anos. Não passaram para “o lado de lá da roleta”, embora já estivesse tudo desocupado.

A dona do meu lado ficou meio assustada com a agitação deles, mas logo eles aquietaram. Conversa vai, conversa vem, mais outra parada e os meninos descem do ônibus, rápidos feito um raio, sem pagar a passagem.

O motorista xinga uns bons palavrões. Ocobrador coloca a cabeça pra fora da janela e grita. Os meninos do lado de fora fazendo gracinha, apontando dedos e mostrando a língua.

A velhinha manifesta de forma singela sua indignação machista: “Cê viu? Tinha até uma menina...”

Dois pontos mais tarde eu atravesso a roleta pensativa: ser trombadinha deve mesmo ser coisa de menino.

12 comentários:

Bruno Moraleida disse...

ixi... essa velhinha nao pode andar no oins da comunidade aqui não.

18h ele fica lotado na frente e vaziinho atrás com gnt indo pras escolas que tem pra baixo da minha rua.

Pelo menos eles tao indo pra escola ne?

PS. Pasmem! tem muita menina no meiO!

Sthéfano Cordeiro disse...

Ei Pipa...

Bem, com relação ao livro com certeza ele não terá frases de super-heróis. O pronome relativo isso estava se relacionando a minha memoria e não ao que eu me lembro.

Meu ultimo post é um desabafo, pois um primo meu morreu anteontem, vítima de uma infecção hospitalar. Ele fez uma operação pra tirar furúnculo e mais de uma semana depois ele veio a falecer, sendo que nem tinham identificado a causa mortis. Só após a necropsia é que foi constatado. Fiquei indignado.

Eu não sabia que vc tinha dois blogs n? Gostaria de saber o pq...

"Tinha até uma menina". Hoje as coisas estão se misturando ao ponto de não existerem mais atos ou condutas apenas para um sexo, ou melhor, orientação sexual.

Jesus está voltando, e bem rápido.

Alysson disse...

Ei...
Fala sério, vc ficou morrendo de vontade de não pagar tbm, só não teve coragem, rs...
Brincadeira!!!
Hoje to tocando com a orquestra da escola de música, lá na UFMG, as 6:30PM, aparece lá se tiver de bobeira, chama o Bruno e o pessoal...
Um abraço!!!

Angel disse...

Só para comunicar que tb estou no mundo dos blogs...

agora só preciso aprender a mexer nisso aqui..rs

bjo

sam disse...

porque se priva de dizer sobre o real significado de "apontar os dedos"?
Foi uma vitória para aqueles que a buscaram. Não que haja honra nela, mas houve um momento de exaltação deles e lhes conceberam glória a si.
Inclusive não descorre sobre o assunto gostoso que a velhinha lhe proferiu...
arh..

Lívia disse...

Oi, Pipa!
Resolvi visitá-la tb. E gostei demais do tour que fiz pelo seu blog! Seus textos são de uma sensibilidade profunda. São lindos! Muito bem escritos e claros. Voltarei mais, ok?
Um abraço;
Lívia

Helen Vilela disse...

uai meu Deus do céu...

achei que tava desativado isso aquiii

ebaaaaaaaaaaaa

;)

Cynthia Falabella disse...

mas é ne! pelo menos a gente se assusta qdo ve uma menina assim no meio da molecada( mas tbm é tão normal hj em dia...) um bjo! seu blog é uma delicia!

Luciano Maia disse...

Nossa... Que texto gostoso de ler! Gostei demais!

Aqui.... Fuçando os links da minha querida flautista-forrozeira entrei aqui e ate adicionei seu blog na minha pequena lista de blogs... Espero que nao se incomeode.

Boa semana

Paloma M. disse...

É engraçado como as pessoas ainda acham que molecagem é coisa de menino e tagarelagem de menina, como tem gente que ainda separa o mundo assim. Agora achar que pobreza é coisa de menino, chega a ser trágico.
Muito bom ver essa cena através do seu olhar pela janela.
Que gostoso vir aqui.

Alê Quites disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alê Quites disse...

Eu já tive vontade de escrever uma peça de teatro sobre ônibus coletivo, aliás, sobre os causos ocorridos dentro do busão...kkk

Ah! E aquela palavra mágica que arrasta as pessoas dentro de ônibus lotado: "censa".

Beijos*